O Lado Obscuro da Igreja Católica




A Igreja Católica é uma das mais antigas e poderosas instituições do mundo, criada há dois mil anos ela surgiu de um homem e cresceu até ser “dona do mundo”, mas para isso sua história foi marcada com mortes, traições, roubos, pecados e até mesmo associação com alguns dos piores vilões de nossa história.

E nós vamos contar esses segredos e mostrar o que eles querem esconder, mostrando que a maior intuição religiosa do mundo também é uma das mais ricas, possuindo tantas coisas que poderia mudar o rumo do planeta com seu dinheiro e sua influência.

Além disso, falaremos sobre as figuras que moldaram a Igreja: os Papas. Contaremos o que alguns desses poderosos homens fizeram para conseguir o poder e todas as loucuras que fizeram para mantê-lo, indo desde assassinatos de concorrentes até a união com nazistas e fascistas.
Então se você quer desvendar os segredos mais obscuros desses dois mil anos de história da Igreja Católica e todo seu poder, não deixe de curtir esse post, que semana que vem lançaremos a primeira parte dessa história, mostrando o início dessa poderosa instituição e seus primeiros segredos, que poucos ouviram falar.

O começo
Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela;
E eu te darei as chaves do reino dos céus; e tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus.
Mateus 16:18-19

Assim surgiu a Igreja Católica e uma espécie de primeiro Papa, que veio a ser o Pedro. Durante muitos anos a Igreja era apenas um conjunto de ensinamentos de Cristo e não uma instituição oficial, pois Roma não tinha essa religião como a verdadeira.

Mas no ano de 312, os problemas romanos eram muitos e o Imperador resolveu oficializar o catolicismo, assim Constantino se utilizou da nova religião para tentar unificar seu povo, não que ele realmente acreditasse nela de verdade.
Com essa legalização a Igreja Católica começou a ganhar forma, pois deixava de ser ilegal e agora era parte do Império. Rapidamente seu poder e influência cresceram, a tal ponto que o próprio imperador estava descontente com a religião se metendo em seu estado e acabou recebendo uma
carta do Papa Gelásio: “Existem, Augusto Imperador, dois poderes principais que governam o mundo: a autoridade dos Bispos e o poder Real. Dentre eles, o poder sacerdotal é muito mais importante.”

Durante séculos a Igreja floresceu junto com o Império Bizantino, porém quando as coisas começaram a ficar ruins, devido a muitas batalhas contra bárbaros, a Igreja viu que talvez fosse a hora de buscar novos aliados e sem pensar duas vezes, ela traiu as mesmas pessoas que haviam a criado como uma instituição legítima.
Dessa maneira no século 8, a Igreja se aliou a Pepino, o Breve, monarca franco, que comandava as regiões que depois se tornariam a França. Assim a Itália foi invadida e as terras conquistadas por Pepino foram doadas a Igreja, que se tornou um reino independente com grande poder.

Anos mais tarde, no reinado de Carlos Magno, o Papa Leão III proclamou o monarca como Imperador do Ocidente, deixando Constantinopla furiosa e também amedrontada.

Agora a Igreja Católica não era mais apenas uma religião pregando sua palavra para as pessoas, e sim uma instituição poderosa, possuindo grandes terras e tendo influência sobre o principal Imperador daquele tempo. Além disso, ela era capaz de coroar e tirar coroas de Reis, o que lhe deu poderes políticos maiores do que qualquer outro reino ou imperador.
Parecia que nada poderia deter a poderosa Igreja, com suas terras, riquezas e influência, mas estava para surgir um inimigo a altura, uma nova religião, que poderia abalar os alicerces da Igreja Católica…

Primeira Cruzada
A Igreja Católica, que no início era formada por alguns pobres homens pregando a palavra de Deus, agora era uma poderosa instituição capaz de coroar e derrubar Reis, sendo dona de vastas terras e riquezas enormes, assim nos meados do século 11 ela era imbatível e nada temia, porém um inimigo novo surgiu para ameaçar seu reinado.
A religião muçulmana, que surgiu por volta do século VII, vinha crescendo de maneira rápida, agregando cada vez mais fiéis e conquistando muitas terras, que iam da Espanha até a Índia.Vendo isso a Igreja resolveu tomar alguma atitude e assim surgiu o que todos conhecemos como a Primeira Cruzada.

A Igreja a chama de “Guerra Santa”, mas nada mais era que a tentativa de diminuir a força da nova religião vista como inimiga pelos líderes católicos da época, por isso várias desculpas para a tal guerra foram dadas, tendo como principal a retomada da cidade de Jerusalém, contudo os interesses por trás das batalhas eram muito maiores.

No ano de 1095, sob as ordens do Papa Urbano II, os europeus armaram-se a foram para a guerra em nome de Deus. Durante quatro anos de grandes derramamentos de sangue, a Igreja conseguiu assumir o controle sobre Jerusalém e da Terra Santa, o que acabou trazendo ainda mais batalhas, pois os muçulmanos queriam suas terras de volta.

A Igreja agora era um poder econômico, territorial e bélico, maior do que muitos reinos europeus. Todo esse poder começou a transformar a instituição religiosa, que deveria apenas pregar a palavra de Deus em uma monarquia comandada por tiranos mesquinhos.
Quando o movimento cultural do Renascimento atingiu a Europa, os Papa eram os principias compradores de arte, contratando os melhores artistas, como Michelangelo e Rafael, para pintarem suas obras. Além disso, os Papas esbanjavam em tudo que faziam, mostrando que naquela época a Igreja nada mais era do que uma monarquia como outra qualquer, onde poucos comandavam tudo e tinha todos os bens e muitos nada tinham e morriam trabalhando para sustentar seus Reis ou Papas no caso da Igreja.

Os Papas, que deveriam ser os principais representantes de Deus na Terra, agora eram corruptos, tinham diversas amantes e alguns eram tão violentos, que até mesmo os Reis os temiam.
A Igreja Católica havia perdido totalmente seu propósito e como se não bastasse ela ainda iria criar algo para usar contra seus inimigos, em um dos movimentos mais cruéis da história, ela criou um tribunal para julgar seus inimigos, mas no qual eles não poderiam se defender: a Inquisição.
Caso queria saber tudo que foi feito com a Inquisição, não deixe de curtir e recomendar esse post para ele ganhar uma continuação!

Inquisição
A Igreja, que no início era uma instituição de fé, havia se tornado em um grande reino envolvido na política, Este post não tem interesse de influenciar nenhuma religião, tendo apenas a intenção de divulgar fatos históricos que são encontrados em diversos livros pelo mundo.economia e suas terras se espalhavam por todos os cantos de Velho Mundo. Tamanho poder começou a gerar inveja e desconfiança até mesmo dos amigos mais próximo, assim a Igreja,que já havia feito guerra com os muçulmanos para tentar acabar com essa nova religião, também tinha que defender-se dos seus próprios aliados.

Como não podia simplesmente declarar guerra contras seus amigos, ela resolveu criar uma arma que poderia ser usada contra qualquer um, sem nem ao menos eles terem chance de se defender, assim surgiu a temida Inquisição.

Essa nova parte da Igreja nada mais era que um tribunal feito para julgar os hereges, pessoas que aos olhos da Igreja haviam cometido pecados. No início parecia algo nobre, afinal eles queriam manter as pessoas na linha, seguindo a palavra de Deus, mas em pouco tempo todos notaram verdadeira face desse tribunal: matar quem interessava que fosse morto pela Igreja e não perseguir pecadores.

Estabelecida em 1184, a Inquisição teve um dos seus principais trabalho focado na perseguição aos cátaros, uma seita que divergia da Igreja e estava conseguindo muitos seguidores. Então os acusando de heresia, mandou matar todos como pecadores e até uma pequena guerra foi feita contra eles.
A Inquisição também perseguia qualquer coisa que fosse considerada ruim para Igreja, assim alguns livros eram proibidos e quem os lesse, vendesse ou tivesse qualquer envolvimento seria condenado à morte sem defesa. Além disso, a Igreja obrigava as pessoas a entregarem qualquer herege que conhecessem e muitos usaram isso para matarem inimigos ou desafetos, acusando-os de heresia e assim os vendo queimar na fogueira pelas mãos da Igreja.

Conta-se que certa vez mais de 1500 pessoas foram injustamente queimadas, pois foram denunciadas por inimigos e como não havia maneira de se defender acabaram mortos. A Inquisição, quando recebia uma denúncia de heresia, simplesmente torturava o suposto herege até ele confessar seu pecado e na grande maioria das vezes a pessoa não tinha feito nada de errado, mas dizia que sim para acabar com o sofrimento da tortura. Por isso milhares foram mortos em todo o mundo injustamente.
Não eram apenas os divergentes da Igreja que sofriam com a Inquisição. Qualquer pessoa que ameaçasse o poder dos Papas era acusada de heresia e morta pela Igreja, mesmo que fosse devota ou uma santa, isso não interessava mais, tudo estava focado no lado politico das ações.

Por esse motivo a Igreja, com medo de um os seus maiores e mais poderosos aliados, resolveu acabar com eles e realizou uma manobra macabra contra homens que eram mil vezes mais santos que qualquer Papa da época. Assim aconteceu um dos maiores golpes de traição da história, que marcou o mundo e até hoje é motivo para discussões.

Postagens mais visitadas deste blog

Como descobrir se você é um Lobisomem?

Vampiros e Lobisomens - A origem das raças obscuras

Voduísmo - Descubra como acabar com seu inimigo!