Um conto de terror - Passageira Fantasma


Certo dia, um motorista de táxi rodava pela avenida José Bonifácio em frente ao cemitério Santa Izabel quando uma linda jovem fez sinal .
Ele parou e ela pegou o táxi. Eles deram uma volta na cidade e ele a trouxe de volta para o cemitério. Na hora de pagar, ela mandou que ele fosse receber na casa dos seus pais. Deu-lhe o endereço completo.
No dia seguinte, ele foi cobrar o dinheiro.encontrou a casa, bateu, um senhor veio recebê-lo. Ele disse que viera cobrar o dinheiro pela corrida de táxi que sua filha havia feito.
O senhor ficou todo desconfiado e disse que sua filha não tinha saído à noite.
O susto maior do pai foi quando o taxista deu o nome da moça e disse como ela era e como estava vestida.
O pai disse que não era possível, que a sua filha tinha morrido já a alguns anos.
-Será que errei de casa, diz o motorista.
Então o motorista começou a ver algumas fotos que estavam na parede e disse:
- É aquela moça.
O motorista saiu perplexo, quase louco, sem saber o que tinha acontecido na noite anterior.




Sociedade Secreta Satanista



Ordem de Palladium é um nome de uma alegada sociedade secreta satanista teísta ou membro dessa sociedade. O nome Palladiano vem de Pallas e refere-se à sabedoria e aprendizado. Trata-se de qualquer relação com o estilo palladiano de Andrea Palladio.

O Palladium seria uma seita anticristã esotérica fundada no século XVIII por altos representantes da Maçonaria. O termo aparece numa suposta correspondência entre Albert Pike e Giuseppe Mazzini. Para os Palladistas, o ídolo era a imagem do Baphomet dos Templários. E o ápice da cultura intelectual satanista, ou melhor, a adoração a Lúcifer como o princípio da laicidade e da iluminação, é a Ode a Satanás de Giosuè Carducci sua máxima expressão poética. Os mestres maçons gestores da sociedade seriam também chamados de Illuminati ou "invisíveis".


Lewis Spence, na An Encyclopaedia of Occultism (1920), afirmou que "A Ordem de Palladium, fundada em Paris em 20 de maio de 1737, ou Soberano Conselho da Sabedoria" foi uma "ordem maçónica diabólica". As mulheres, de acordo com Spence, eram iniciadas como "companheiras de Penélope". A sociedade tinha duas ordens "Adelfos" e "companheiro de Ulisses", no entanto, a sociedade era dividida pela aplicação da lei francesa, alguns anos após a sua fundação .


Em 1891, Léo Taxil e Ricoux Adolphe alega ter descoberto a Ordem Palladiana. Um livro francês de 1892 Le Diable au XIXe siècle ("O Diabo no Século XIX", 1892), escrito pelo "Dr. Bataille" (na verdade o próprio Léo Taxil) alega que os Palladistas eram satanistas baseados em Charleston, Carolina do Sul, liderada pelo maçom americano Albert Pike e criado pelo autor e patriota italiano liberal, Giuseppe Mazzini.


Uma suposta Diana Vaughan publica Confissões de uma Ex-Palladista em 1895. Em 19 de abril de 1897, Léo Taxil convocou uma conferência de imprensa em que, segundo ele, iria introduzir Diana Vaughan com a público. Na conferência em vez disso, anunciou que suas revelações sobre os maçons eram fictícias. Ele agradeceu ao clero católico para a sua assistência em dar publicidade a suas alegações selvagens .


Demônio Íncubo - O Demônio dos Pesadelos




Íncubo é um demônio na forma masculina que se encontra com mulheres dormindo, a fim de ter uma relação sexual com elas. O íncubo drena a energia da mulher para se alimentar, e na maioria das vezes deixa-a viva, mas em condições muito frágeis. A versão feminina desse demônio é chamada de súcubo.

O íncubo geralmente aparece em sonhos que a vítima está sentindo prazer. Ele toma a forma mais atraente para a vítima, atraindo-a para si com seu magnetismo, sugando a energia sexual de sua parceira. Indefesa diante da situação, a vítima desse ser oferece involuntariamente sua energia, como forma de retribuição, durante os atos cometidos. Ao acordar se sente fragilizada e cansada, apesar de, na maioria das vezes, não se lembrar de nada.

A palavra "incubus" ou íncubo (do latim, in-, "sobre") é considerado alguém que está em cima de uma outra pessoa. Já um "succubus" vem de uma alteração do antigo latim succuba significando prostituta. A palavra também é considerada uma derivação do prefixo "sub-", em latim, que significa "em baixo, por baixo", e da forma verbal "cubo", ou seja, "eu me deito".




Você gosta de ter Pesadelos ?



Pesadelo é um sonho penoso com sensação de opressão torácica e dispneia, terminando por um despertar sobressaltado ou agitado e com ansiedade.

É uma perturbação qualitativa do sono (parasónia), na maior parte das vezes de origem psicoafetiva, embora não seja de excluir a sua etiologia comicial.

A palavra nightmare, que em língua inglesa significa "pesadelo" dizia respeito, há quatrocentos anos, exatamente a um demônio (o incubus) que vinha e sufocava as pessoas enquanto dormiam.

A fonte dos pesadelos são uma serie de pensamentos negativos que quando armazenados em grande escala tomam conta dos pensamentos enquanto se dorme em forma de imagens e sons criados pelo cérebro.



Jeff – The Killer




A coisa que mais incomodava no Jeff era sua aparência, sua cara rasgada, seus olhos queimados e sua pele branca.
Por mais que não quisesse, ele se sentia um monstro, não só por matar, talvez fosse este seu único hobby, sua única forma de mostrar-se vivo. Não sei!
Jeff, na verdade, tinha um demônio dentro dele, aquele demônio que todo ser humano tem dentro de si, aquela raiva incontrolável... Jeff, no entanto, estava muito estranho, mais do que o normal.
-“Eu não aguento mais o meu rosto, não me aguento mais assim. Eu fui queimado, humilhado, morto, sem pálpebras... Sim, meu rosto é pálido, e eu vou matar a todos, um por um. Farei todos dormirem”. (hahahahaa)
Assim como os demais assassinos, Jeff precisava sair, afinal, ele adorava matar. Ao olharem para ele, as pessoas se questionavam: “Como ele é horrível, como ele é estranho! Que monstro é esse, que demônio é esse”?
De fato, há muito ele havia perdido o controle. E mais: faria qualquer coisa para se satisfazer.


Jeff em ação
Já bastante sedento, ele prosseguiria com o seu plano maléfico. Diante de sua vitima, os seus olhos brilhavam. Não, nada de medo ou de temor, apenas o desejo de vingança, o desejo de um sádico.
Sua cobaia, oh, uma pobre garota. Uma garotinha, sim, e com tantos anos pela frente. Seu corpo, completamente desconfigurado, cortado em oito pedaços, e espalhados por sua linda casa. Sua doce casinha.
Pelas paredes, o retrato de um louco, de um assassino louco e doentil. Vitima de seu temperamento e de seus desejos mais maléficos! E que desejos…
 O tempo passara depressa, e claro, os detetives ficariam cada vez mais loucos com o Jeff. Afinal, ele não mataria apenas crianças e adolescentes, mas sim, uma serie de policias. Jeff está louco, pensavam eles, fugiu de seus padrões? O que mais podemos esperar?
Já em seu canto, o assassino se indagava: “Porra, que cara estranho que sou eu”? No que eu me tornei? No que eu me tornei?!
Sem rumo e sem destino, ele voltaria a atacar. Andando pelas ruas, logo percebe um garotinho. Não, de fato, não era qualquer garoto. Nele, Jeff sentia um demônio semelhante. Um demônio repleto de dor, de raiva, de ira!
Os minutos passam, passam, e Jeff está cada vez mais incontrolável. Com as luzes apagadas, ele adentra a casa do menino. Em sua face, um olhar pálido e frio, um misto de tristeza, de indiferença...
Em seu corpo, apenas uma faca. Sim, a mesma faca utilizada em crimes, em tantos momentos de glória. De jubilo, de frieza. Mais um garotinho, pensava ele, que felicidade!
Frente a frente, a sua temível frase: "Vá dormir”! Não, Jeff não queria vê-lo acordado, nem ele, nem qualquer outra vítima. E dessa vez, acredite, não seria diferente. Era o que ele pensava…


A vingança contra Jeff
E de fato, a sorte de Jeff mudaria. Melhor dizendo, a de suas vitimas potenciais. O garotinho, em questão, um dos mais desafiadores: “Escute, Jeff, eu não vou dormir! Você não é capaz de me matar, eu o conheço, sei quem você é! Você não passa de uma criança assustada, Jeff. De uma criança"...
Enfurecido com a atitude, ele logo bradaria: “Cala a boca, seu desgraçado"! Sou Jeff, o assassino, você vai dormir, sim! Sou o Jeff, porra, o Jeffffffff”.
Em uma tentativa desesperada, ele ainda esfaquearia o garoto nos ombros, o forçando tão logo a atirá-lo pelas escadas… Seria este o fim de Jeff?

A repercussão do caso
No outro dia, como se imaginava, os jornais não falavam de outra coisa: “Homem conhecido como Jeff, foi preso na madrugada de ontem pela polícia. Assassino confesso, ele é ainda responsável pela morte de 137 pessoas, sendo a mais recente, uma garotinha de 13 anos de idade”.
Os policias, por sua vez, não liberariam nenhuma foto do assassino. Em parte, por toda repercussão do caso, e por outra, por todas as deformidades em seu rosto. Em especial, pela ausência de um nariz e pelo corte em sua boca.


O julgamento
Os meses se passam, e Jeff é levado a julgamento. No caminho para o tribunal, é surpreendido pela presença de dois guardas em sua cela. Visivelmente irritados, eles fariam de tudo para prejudicar Jeff, ou melhor, tentariam fazer…
Entediado com o processo, o assassino logo surpreenderia a todos, desfechando contra os guardas, diversos golpes de cassetetes. Não satisfeito, ainda quebraria um de seus maxilares, roubando, por conseguinte, uma de suas armas também.
A sonhada liberdade, enfim, ficava cada vez mais próxima...

O encontro final
Logo na saída, Jeff encontra um homem alto e magro. Bem apessoado, ele diz: "Nós não somos pessoas comuns, somos duas aberrações! Deus nos castigou, e devemos castigar a sua criação".
Sem muita demora, ela logo desaparece na escuridão. Na mente de Jeff, apenas um desejo: a vingança contra aquele que o mandara para a prisão.
Já em sua casa, Jeff espera todas as luzes se apagarem. Em poucos instantes, ele encontrará o enfadado garoto novamente, e de posse de seu alto sarcástico ele dirá: Shiiiiiiiii, vá dormir”….

Contos de Terror - As flores da morte



Conta-se que uma moça estava muito doente e teve que ser internada em um hospital. Desenganada pelos médicos, a família não queria que a moça soubesse que iria morrer. Todos seus amigos já sabiam. Menos ela. E para todo mundo que ela perguntava se ia morrer, a afirmação era negada.
Depois de muito receber visitas, ela pediu durante uma oração que lhe enviassem flores. Queria rosas brancas se fosse voltar para casa, rosas amarelas se fosse ficar mais um tempo no hospital e estivesse em estado grave, e rosas vermelhas se estivesse próxima sua morte.
Certa hora, bate a porta de seu quarto uma mulher e entrega a mãe da moça um maço de rosas vermelhas murchas e sem vida. A mulher se identifica como "mãe da Berenice". Nesse meio de tempo, a moça que estava dormindo acordou, e a mãe avisou pra ela que a mulher havia deixado o buquê de rosas, sem saber do pedido da filha feito em oração.
Ela ficou com uma cara de espanto quando foi informada pela mãe que quem havia trazido as rosas era a mãe da Berenice. A única coisa que a moça conseguiu responder era que a mãe da Berenice estava morta há 10 anos.
A moça morreu naquela mesma noite. No hospital ninguém viu a tal mulher entrando ou saindo.







SERVOS DO MISTICISMO NEGRO

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...